O CRISTIANISMO E A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

O cristianismo é a religião da transformação social. Pressupõe que essa transformação se inicie pela conversão pessoal a uma nova maneira de viver. Sua identidade compõe-se de missão, visão de futuro e do cultivo de algumas virtudes gerais e especiais.  Reconhece que o homem deve realizar suas atividades na Terra em meio às incertezas do ambiente. Recomenda a ação transformadora no dia-a-dia a partir das pequenas oportunidades que se manifestam a cada pessoa.

A missão do cristão é “absorver, praticar e disseminar a Palavra” e, assim, dominar o pecado – prática do desejo inconveniente -, tornando-se agradável aos olhos de Deus. Essa exigência de domínio do pecado/desejo foi feita em Gênesis 4:7, e permeia toda a Bíblia como um dos seus temas centrais. Após a queda o homem deixou de ser perfeito, mas manteve-se perfectível por meio da graça que, concretizada pela fé, gera boas obras.

A visão de futuro do cristão está registrada em várias passagens bíblicas, e refere-se tanto à Terra como ao Céu. Aquele que perseverar na prática da Palavra viverá no eterno gozo da presença do Senhor. A Terra transformada será local de paz, prosperidade, justiça e beleza. O seu futuro deve ser construído, na Terra, com a ajuda de Deus, mas ele próprio é o agente que coloca em ação os dons e talentos que lhe foram dados. Quanto ao seu futuro no Céu, ele depende de Deus, mas cada um terá o galardão das obras que sua fé tiver proporcionado, no uso da graça que lhe foi dada.

As virtudes do cristão compreendem aquelas de natureza cívica, como a coragem, a temperança, a justiça e a sabedoria, mas as ultrapassa pela fé, pelo amor e pela esperança. Entre essas excelentes virtudes destaca-se o amor, que jamais comete o mal contra o próximo. Quando praticadas e refletidas produzem seres humanos transformados em fontes de luz num mundo assombrado pelas trevas da ignorância e do desejo insaciável.

Quando atinge sua fase final de crescimento, o cristão pode vir a conhecer a Deus por experiência própria, e não apenas por ouvir falar a Seu respeito. Essa experiência que, para os místicos, consiste em fazer-se um com Deus, leva-o a encontrar o Reino de Deus dentro de si e no meio da sua comunidade. O conhecimento de Deus dispensa a crença hipócrita que coloca o homem em situação inferior à do diabo que, como sabemos, também crê, embora seja contra.

Há várias passagens bíblicas que oferecem sínteses poderosas da identidade cristã que leva à transformação pessoal e, por extensão, à transformação social. Entre elas podem-se citar: “fazer aos homens aquilo que quer que eles lhe façam”; “cuidar dos desprotegidos em geral” e, como síntese das sínteses, “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.

O cristão propõe-se carregar um fardo que no começo pode parecer pesado e amargo, mas que, no fim, torna-se leve e saboroso. Pelo autodomínio, torna-se senhor de si. Pela fé, transforma a fraqueza inicial em força invencível. Pela esperança, torna-se construtor do futuro. Pelo amor, torna-se bálsamo para o  sofrimento alheio.

Para o cristão não há derrotas, apenas experiências de crescimento em Cristo. Ele pode começar a transformação social com um sorriso, um aperto de mãos ou um ato de solidariedade. Contudo, os bons frutos dessa boa árvore só acontecem, realmente, mediante o novo nascimento em Cristo.

Fonte: http://www.cristianismocriticopratico.blogspot.com.br/2012/04/o-cristianismo-e-transformacao-social.

12/4/2012

Voltar

World Council of ChurchesIgreja Presbiteriana Unida do BrasilConselho Latino Americano de IgrejasAMMORPC(USA)Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil
Igreja Presbiteriana Missional do BuritisColégio Presbiteriano de BH
   Copyright © 2014 - Segunda Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte - Todos os direitos reservados. Produzido por Stratta